Mais importante encontro sobre a cultura da música eletrônica no país, o Rio Music Conference realizou seu segundo dia de palestras ontem (28/1), no Museu de Arte do Rio (MAR), no centro do Rio de Janeiro.

Conferências e workshops lotados e uma galera bastante interessada marcaram o dia, que teve diversas conversas bacanas também. Selecionamos abaixo cinco frases que impactaram o público no RMC.

“Também já fui barrado na porta de uma balada” – Sven Marquardt, bouncer do Berghain

O bate-papo com a figura da noite berlinense Sven Marquardt foi animado, pena que o alemão não fala inglês (o que atrapalhou um pouco na hora da tradução). Ele bem que tentou mostrar um pouco seu projeto fotográfico, já que aproveitou sua influência na noite de Berlim para fazer ótimas fotos de DJs e personalidades que passaram pelos clubes locais nos últimos 20 anos. Mas o público queria mesmo saber sobre a sua função como bouncer da mítica boate Berghain –o cara que seleciona quem entra no clube. Ele disse que o critério é “não haver critério” e que é preciso transparecer de alguma forma que você está na vibe da casa (não entregou ainda do jogo, né?). Porém, a maior revelação que Sven fez foi dizer que já foi barrado em um clube de Berlim no fim dos anos 1980, por um bouncer que não curtia o amigo com quem ele estava. Acontece com todo mundo mesmo.

“O DJ não é e nem deve querer ser um artista, já que sua função é escolher músicas de artistas para divertir o público” - Roland Leesker, DJ e diretor do selo Get Physical

O bate-papo “Como Criar Uma Empresa Do Nada” contou com a presença de um dos chefões do aclamado selo Get Physical, que falou só verdades. Uma delas você leu acima.

“Qualquer um vai poder ir a um festival por meio de um óculos de realidade virtual, mesmo que não possa estar presente fisicamente” – Jure Kvas e Jernej Ocvirk, fundadores da KO Events

Os dois amigos eslovenos prometem lançar em breve óculos de realidade virtual que permitem a qualquer um ter a experiência de estar num festival de música a qualquer momento. Será que essa moda vai pegar? Eles participaram do bate-papo “Eventos: A Tecnologia Comanda. E Agora?” 

“O Tomorrowland chegou ao Brasil depois de um fã criar uma página em português no Facebook e ela ganhar muitos likes em pouco tempo” - Mauricio Soares, vice-diretor de marketing do Tomorrowland Brasil

Maurício, além de contar a história do festival por aqui (ele disse que o público brasileiro é responsável por 15% dos acessos e interação com as mídias eletrônicas do Tomorrowland no mundo), também anunciou em primeira mão que a edição de 2016 do evento será televisionada pelo canal Multishow.

“Mesmo em época de crise, já temos 80% das cotas de patrocínio do próximo Rock in rio no Brasil fechadas” - Luis Justo, CEO do Rock in Rio

Além de falar sobre causos das edições do maior evento de música do país, como a história primeira edição de 1985, após a qual o fundador Roberto Medina quase faliu devido ao alto custo de produção e cachês dos artistas, o CEO confirmou que o festival tornou-se um sucesso. Para a próxima edição nacional, marcada para 2017, 80% dos patrocinadores já estão fechados.

Crédito das fotos: Eduardo Llerena